Escândalos atrás de escândalos

Nunca tal se viu nos Estados Unidos, o presidente Trump é o presidente mais contestado da América, aquele que semeia mais discórdias e escândalos. Desta vez, é o procurador independente Robert Mueller, que acusa Donald Trump de obstrução à justiça, até aqui, era apenas a equipa, que rodeia o presidente, a ser acusada…desta vez é o próprio Trump. Trump também foi citado, como pretendendo, demitir o procurador independente…ou seja, quem quer que for que se oponha a Trump, corre o risco de ser afastado. Trump está a comportar-se como qualquer ditador…só que joga com leis, tribunais e constituição americana, e usa isso, como parte do jogo. Um jornalista do Diário de Noticias, dizia que Trump não é um ditador, mas um autocrata…tecnicamente, poderá ser diferente, mas o espírito que o move é o mesmo…acabar com toda a oposição. Comentei isso uma vez aqui, mas volto a fazê-lo, o espírito de Trump e de seus apoiantes, não tem nada a América que eu aprendi a admirar…a América de Kennedy, Martin Luther King, Obama, Bob Dylan, Joan Baez, Bruce Springsteen e Woody Guthrie…presidentes, activistas e artistas, onde eu me cultivei e aprendi parte dos meus valores, a América de Trump tampouco tem a ver, com Billy Graham e Franklin Graham, pregadores influentes nos Estados Unidos, por muito Cristão que Trump se afirme, esses pregadores jamais embarcariam, no discurso do ódio aos imigrantes e muçulmanos, que Trump embarca. São muitas as incompatibilidades, que eu manifesto, com a actual administração no poder. Como vai evoluir a América? Não sei, mas aguardo com interesse, os acontecimentos. E mais não digo, com risco de me repetir.

Casablanca ou a Nostalgia da Liberdade

Amiúde passa nos canais da tv por Cabo, o filme de Michael Curtiz, Casablanca, e confesso que o vejo, sempre que se proporciona…ainda que já conheça o enredo de traz para a frente. Fascina-me sobretudo, a personagem de Rick Blaine, e o eterno triângulo, de Rick, Ilsa Lund e Victor Lazlo…o mesmo é dizer, Humphrey Bogart, Ingrid Bergman e Paul Henreid…é uma história fascinante, do dilema entre o idealismo e os sentimentos, Rick luta entre o seu amor por Ilsa…e o dever de dar ao marido dela, Victor Lazlo, as cartas de transito, que permitam ao casal escapar para Lisboa, na sua luta contra o fascismo. Rick é um ex-contrabandista de armas, que apoiava a causa da Segunda República Espanhola, que por causa de um desgosto de amor, se refugia em Casablanca, cidade Marroquina. Nesta trama cinematográfica, transfigura-se o ideal da Liberdade e da honra…Rick, acaba por abdicar do seu amor, para ajudar Lazlo e a esposa, a fugirem para Lisboa…bem diferente, dos dramas românticos do cinema moderno, em que o amante, fica com a esposa do outro…desapaixonadamente e brutalmente. Prefigura-se aqui, uma outra ética, um idealismo nobre, a luta pela liberdade opondo-se ao egoísmo, bem diferente dos nossos tempos. Hoje, poucos têm um ideal de nobreza politica, de idealismo genuíno…em que as causas sejam mais importantes que os interesses individuais. Para aqueles que nunca viram este filme, não o percam, se tiverem oportunidade…ultrapassem o facto, de ser a preto e branco, de ser de 1942, e deliciem-se com esta obra prima.

Os Craques da Bola

Confesso que não entendo esta obsessão pelos craques da bola, quando ganham jogos, são como verdadeiros deuses da plebe, quando perdem, passam de bestiais a bestas. Depois, é esta promiscuidade entre o mundo financeiro e o futebol, claro que me estou a referir às agências de imagem, que cobram e dão a ganhar milhões…fora as quantias a que não temos acesso. Tudo isto dá aso, a que, haja fugas ao fisco e quantias chorudas em off-shores. Desta vez foi a vez de Cristiano Ronaldo, ser acusado pelo Ministério Público Espanhol, de não ter declarado, cerca de 14,7 milhões de euros em direitos de imagem, através de quatro delitos entre 2011 e 2014. A Gestifute, a agência que gere a imagem de Cristiano Ronaldo, nega tudo, e o advogado de Ronaldo, Lobo Xavier…fala em total surpresa. Eu não quero condenar Ronaldo à priori…mas ninguém está acima da lei e de vacas sagradas…estamos nós fartos. Se se vier a provar, que Cristiano Ronaldo, efectivamente, cometeu esse crime, isso não me espanta, não por um julgamento moral do carácter de Ronaldo…mas precisamente por aquilo, que comecei este texto…os milhões que as agências de publicidade, ganham e dão a ganhar. É efectivamente imoral, que um jogador de futebol, ganhe tanto…quando um professor ou um médico, não têm esse reconhecimento, especialmente em Portugal, e com esta me fico, até amanhã.

A Sombra dos Czares

De Moscovo vêm noticias, de que mais uma protesto contra o presidente Putin, foi reprimido com centenas de detenções. Na verdade, uma Rússia parece fadada ao autoritarismo, foi assim não reinado dos Czares, foi assim desde 25 de Outubro de 1917 a 26 de Dezembro de 1991, com o interregno da perestroica, e é assim, atualmente. Na verdade, uma Rússia, um regime de feudal, um regime comunista … e desde a queda do comunismo em 1991, um regime de capitalista autoritário. É certo que periodicamente há eleições, mas estas, só servem, para legitimar mais o mesmo. Os russos, habituaram-se a viver, mais ou menos, em ditadura, e não são conhecidos outro regime. Porém, é precipitado, dizer, que Putin, não tem apoio entre uma população … na verdade, parece que os russos preferem viver em segurança e prosperidade, do que viver em liberdade. A sombra do ” Qual vai ser o futuro da Rússia, tendo em conta, todos esses fatores? Não podemos saber, mas uma coisa é certa, o gigante russo, parece estar mais vivo do que nunca.

Rock Cristão o Fenómeno

Se assistirmos a alguns cultos da Igreja Cristã contemporânea, especialmente da Igreja Evangélica, veremos, como a liturgia tradicional, em muitos casos, foi abandonada e substituída, por grupos de louvor…que mais parecem grupos de Rock. Em paralelo, abundam muitos grupos musicais, de expressão Rock, que se declaram cristãos. O fenómeno não é novo, mas começou a ganhar peso, especialmente a partir dos anos 80, tendo começado nos anos 60…com o movimento Jesus People, movimento criado por jovens saídos dos hippys…que recusavam as drogas, mas tendo uma abordagem informal do Cristianismo, caracterizada pelo amor à musica e os seus cabelos longos. O seu representante mais importante foi Larry Norman, que fez história quando foi convidado pelo evangelista Billy Graham e apareceu numa das suas cruzadas. A partir dos anos 80 surgem grupos como Petra e Stryper, o primeiro surgiu no espectro religioso, mais como grupo de louvor, com um som mais ou menos pesado, dentro do Hard-Rock…e o segundo, inseriu-se no circuito comercial do Heavy-Metal, mas com uma mensagem cristã.

Mas se a juventude da altura aderiu a este movimento, dentro do cristianismo, os mais conservadores, não deixaram de criticar estas bandas, alcunhando-as mesmo de satânicas, como faziam com as bandas de Rock Secular…lembro-me mesmo, no meu país, como a Igreja Evangélica, continuava com os seus cânticos tradicionais, ostracizando o Rock de expressão cristã…essa época coincide, com o meu afastamento da Igreja Protestante…fruto do meu amor pela musica e outras questões, nos anos 80 era assim. Com o tempo, estas bandas acabaram por se impor, tornando-se parte do movimento evangélico.

Mas a pergunta subsiste, serão estas bandas mesmo cristãs? Há quem ache que não e os alcunhe de “fake Christians”, outros acham que sim e defendem-nos com unhas e dentes. A minha opinião como cristão, é que existem bandas destas que o são realmente, e outras que o não são…destrinçar as que são, e as que não são, torna-se difícil de distinguir. Uma coisa é certa, estas bandas vieram para ficar e já não é só na área do Rock, mas também da musica de dança. Eu pessoalmente, acho que como estratégia de evangelização das tribos urbanas, é eficaz e válida, mas como musica de culto prefiro algo menos radical…nem 8 nem 80, é a minha regra e continua a ser.

Desatinos

Já não tenho pachorra…cada vez que vejo e ouço as noticias é só mortos em atentados, crises politicas, mães e pais que matam filhos, filhos que matam mães e pais, refugiados que são tratados como parias…um rol de desgraças e tragédias humanas. Dá vontade de desligar tudo, e deixar de ouvir, só não o faço, porque algo me diz que não o devo fazer, que para criar empatia com as pessoas, devo entender e estar a par do mundo à minha volta. Empatia é a palavra chave, o que as pessoas precisam, é de se sentirem amadas e entendidas, há demasiadas pessoas que se sentem sós e incompreendidas. Outra coisa, que com eu desatino, é com o preconceito, as pessoas são rejeitadas porque têm religiões diferentes, etnias diferentes, raças diferentes…pensamentos diferentes, andamos há décadas a promover os direitos humanos…e todos os dias, estes são desrespeitados, mesmo à nossa porta. Temos que aprender a ouvir, a compreender…a aceitar os outros…e a aprender-mos a fazer aquilo que queremos que nos façam. Queres ser amado? Ama…queres ser ouvido? Aprende a escutar. E por aqui me fico, convidando todos a aprender a arte de bem viver…até amanhã.

Theresa May e a Luta Anti-terrorista

Theresa May, afirmou recentemente, acerca da luta anti-terrorista, que se for preciso, altera a lei dos direitos humanos. Isto é uma noticia preocupante, pois, está em marcha, um plano contra as liberdades do cidadão…uma nova ordem está a surgir, em que a segurança é posta em primeiro lugar…em detrimento da democracia. Ora, isso é fazer o jogo dos terroristas, pois o que eles pretendem, é virar os muçulmanos que são pacíficos, contra o ocidente…beliscar, nem que seja um pouco, os direitos constitucionais destes. Esta nova ordem, começou a esboçar-se nos Estados Unidos, e corremos o risco de a ver espalhar-se por todo o ocidente.

Ora, a luta anti-terrorista, só é legitima, enquanto se respeitar, as regras da democracia, se, se transforma num fim em si mesma passa a ser totalitarismo…e esse é o risco que corremos. Temos a tecnologia necessária, para controlar, ao mínimo pormenor, a vida dos cidadãos, estamos a um passo do Big Brother de Orwell e o cenário do romance 1984, está mais próximo do que se pensa.

Aproxima-se a hora das trevas, e a luz do ocidente irá dar lugar à noite…até que os desígnios do Senhor se cumpram.

Contradições do Islão

Segundo as noticias, houve um atentado do Daesh, em Teerão. Atentados há quase todos os dias…mas o que ressalta aqui, é que o alvo foi um país Islâmico, neste caso o xiita Irão. Poder-se-ia dizer, que tal aconteceu, porque, o Irão é xiita e o Daesh sunita, mas apesar da conhecida divisão dos muçulmanos, entre estas duas tendências principais, o Daesh tem atacado igualmente países sunitas. Para baralhar a história, o Irão é conhecido por apoiar o Hezbollah no Líbano…conhecido movimento, que é inimigo de Israel. Não há duvida, que o Islão, está profundamente dividido e irreconciliável.

Apesar disso, o Islão é uma potência inegável no mundo, e a religião que mais cresce…inclusive no ocidente, onde se assiste a uma crescente descristianização. Tal acontece, porque o cristianismo, está desfasado da sua base, Cristo…mas isso são outros quinhentos. Á guisa de conclusão, não deixa de ser surpreendente, a resistência do Islão apesar das suas profundas divisões. Seguramente, ouviremos falar, de outros acontecimentos, ligados ao Islão, e ao Daesh…eu gostaria de dizer, o contrário, mas isso é impossível, pelo menos por enquanto.

Futilidades

Uma analise, mesmo que não seja profunda, ao nosso mundo e às esferas de interesses das pessoas, revela como elas são fúteis e superficiais. A maior partes das pessoas, interessa-se massivamente por desporto…e as intrigas ligadas a ele, as revistas que vendem, são as de mexericos…vulgo como se diz, gente VIP…os programas favoritos são os realitys shows, as telenovelas. A musica que vende, é a pop de plástico…sem profundidade e com muito sexo à mistura. Certamente que é precipitado dizer que as outras eras da humanidade, não eram superficiais, e que só a nossa é…porém, com o desenvolvimento dos midia, acentuou-se o vazio colectivo. Muito poucas pessoas, pensam profundamente seja no que for, pensar tornou-se um luxo de poucos.

Quanto a mim, recuso-me a embarcar nesse barco de futilidades, ainda que tenha os meus momentos de descontracção…como uma boa série policial na Fox Crime e alguns momentos musicais…mas efectivamente, gosto de me dar ao “luxo” de pensar, de reflectir sobre a nossa vida, e ainda bem, modestamente falando. E é tudo, sobre futilidades e superficialidades.

Para Londres…com amor

O terror voltou a Londres, mais uma vez, a mão cega do Estado Islâmico, voltou a matar. Muita coisa podia ser dita, muitos comentários, mas não vou entrar em comentários políticos ou grandes análises…vou apenas falar em algo, que falta hoje bastante…amor. Não me refiro aquele sentimento meloso, de que falam as canções, mas do verdadeiro amor…o amor fraterno, entre pessoas de raça diferente, diferentes credos políticos e religiosos. Estou a falar de entendimento e união entre povos e culturas, de fraternidade. Quando somos crianças, é mais fácil, atingir este tipo de amor…as crianças não têm preconceitos, brincam todas juntas, não sabem odiar, respeitam o planeta…mas quando crescemos, perdemos esta capacidade de empatia pura e simples, tornamo-nos egoístas, ciosos das nossas coisas…tornamo-nos capazes do pior e do melhor, ao mesmo tempo. É precisamente, porque somos assim, que acontecem atentados, guerras e mortes…

E contudo, o mestres dos mestres…Jesus Cristo, ensinou-nos o seguinte lema…faz aos outros o que queres que te façam a ti, e…se não nos tornarmos como crianças, não chegaremos ao reino dos céus…ponhamos isto em pratica na nossa vida, amemos os nossos semelhantes, e não cedamos ao ódio…recuperemos um pouco do espírito que tínhamos quando éramos crianças, amemos os nossos irmãos cristãos, os nossos semelhantes sejam eles Judeus, muçulmanos, hindus ou budistas…ou outra coisa qualquer…não cedamos ao ódio.